Como alterar o URL Admin do WordPress o famoso wp-admin

Continuando nossa serie falando de segurança no WordPress, hoje vamos falar de como alterar o URL Admin do WordPress o famoso wp-admin.

Já Falamos:

Como reforçar a segurança do meu site em WordPress

Sites seguros e classificados tem mais relevâncias nas buscas
[sociallocker]
Por ser uma das plataformas mais conhecidas, cerca 28% da internet usa o WordPress acaba sendo o alvo de varias tentativas de acessos indevidos.

A plataforma WordPress possui a URL(/wp-admin) de acesso padrão para o seu painel administrativo, desse modo fica mais fácil de acessar pois é um caminho curto e difícil de esquecer, mas é realmente seguro? Será que não seria melhor se a URL Admin do WordPress fosse alterada?

Apesar da praticidade este é um caminho que qualquer pessoa com acesso a internet pode descobrir facilmente, basta alguns minutos de pesquisa. Sendo assim é normal que esta URL seja um dos principais alvos de ataque de força bruta (o que é ataque de força bruta?) no WordPress.

Agora que ficou mais claro quais são os riscos de usar esta URL de acesso, talvez você já esteja pensando em alterá-lo para manter o seu website seguro, e não precisa se preocupar pois não é um bicho de 7 cabeças, na verdade é bem fácil.

Como alterar a URL Admin do WordPress

1. Primeiro vamos acessar o painel administrativo do WordPress, em seguida no menu lateral selecionamos “Plugins” e “Adicionar Novo“.

2. Agora na tela de Plugins, pesquise por “rename wp-login” na barra de busca, encontre o Plugin representado pela imagem abaixo e clique em “Instalar“.

Renomeando o wp-admin do wordpress

3. Assim que a instalação estiver concluída, clique em “Ativar Plugin“.

4. Depois de ativar o Plugin você será redirecionado para a página de configuração do Rename wp-login.php, e verá no final da página a opção para alterar o URL Admin. Escolha o novo caminho de acesso e clique em “Salvar Alterações“. Você pode acessar este menu sempre que desejar em “Configurações” -> “Links Permanentes“.

configurando Renomeando o wp-admin do wordpress

Pronto! Você acabou de tornar o seu website mais seguro!

Lembrando, mesmo que você já tenha feito as alterações necessárias, alterar o nome de usuário “admin” pois é padrão do WordPress também.

Se você gostou deste conteúdo, peço que ajude mais pessoas a alterar o URL Admin do WordPress, compartilhando este artigo com seus amigos.

Caso tenha alguma dúvida sobre o assunto, por favor deixe seu comentário que terei o prazer de conversar com você a respeito.
[/sociallocker]
 

Como reforçar a segurança do meu site em WordPress

As tentativas de invasões são inúmeras e diversas, a cada segundo são milhares de tentativas de contaminar um site da internet.

Você sabe o que esta acontecendo no seu site neste exato momento? Como se prevenir que um ataque seja feito no seu site?

Muitos pensam que os hackers estão interessados apenas em sites de grandes corporações ou de comercio eletrônico. Não é mais assim, eles podem estas usando o seu site como uma ponte para acesso a maquina do seu cliente. Por este motivo instalamos diversas ferramentas de segurança para os sites dos nossos clientes e acompanhamos de perto tudo que esta acontecendo.

Se você mesmo que presta a manutenção do site da sua empresa, segue uma relação de antivírus/firewall para WordPress.

Muitas delas são gratuitas, mas para ter uma proteção total o ideal são as versões Premium (pagas).

Conhecendo os plugins de segurança para WordPress

[sociallocker]

Wordfence Security: mostra se algum arquivo do blog foi alterado, além de enviar um e-mail quando algum plugin está com atualização pendente, ou há alguma tentativa de acesso a seu blog por pessoas não autorizadas.
O plug-in varre o conteúdo do WordPress, além dos temas e demais plugins, em busca de alguma adulteração ou bug, ajudando a manter o WordPress livre de ameaças.

 

SucuriSucuri é uma Plataforma de Segurança de Sites que ajuda os webmasters a monitorar seus sites, na sua versão free deixa a desejar, mas a versão paga é ótima e confiável.

Security S.A.F.:  Protege seu site de infecção e já curar arquivos infectados no caso se ele já aconteceu. Este módulo detectar mudanças em arquivos no servidor de digitalizar todas as seções de seu site começando a partir de arquivos principais wordpress. Também uma otima opção para deixar o seu site sozinho.

 

Por que deixar o seu site seguro é importante? Além de não manchar a imagem da sua empresa ele ganha relevância nas buscas, veja nosso artigo sobre este assunto.
[/sociallocker]

Ataque com ransomware está sequestrando arquivos de empresas ao redor do mundo

O ransomware WannaCry está sendo utilizado em um ataque massivo a computadores de grandes companhias ao redor do mundo nesta sexta-feira (12). A Telefónica, maior empresa de telecomunicações da Espanha e dona da Vivo no Brasil, é uma das principais afetadas. Criminosos criptografaram os arquivos da operadora e estão pedindo um resgate em bitcoins, que pode passar do equivalente a 500 mil euros.

A praga se aproveita de uma vulnerabilidade no Windows que permite executar código remotamente por meio do SMB, protocolo de compartilhamento de arquivos. Quando uma máquina é afetada, o ransomware pode se espalhar rapidamente para todos os computadores vulneráveis da rede.

A falha estava presente em todos os Windows desde o Vista, incluindo as versões para servidores. A Microsoft liberou uma correção no dia 14 de março, mas, pelo visto, poucas máquinas foram atualizadas: fontes da Telefónica afirmam ao jornal El Mundoque cerca de 85% dos computadores da operadora foram infectados com o ransomware.

No mundo

O número de empresas que estão sendo atacadas pelo WannaCry é desconhecido, mas significativo. A Avast afirmou à Forbes que detectou mais de 36 mil ataques no dia de hoje. A Kaspersky diz que o WannaCry já foi visto em 45 mil computadores de 74 países. A BBC informa que houve ataques no Reino Unido, Estados Unidos, China, Rússia, Espanha, Itália, Vietnã, Taiwan e outros países.

A Reuters afirma ainda que a companhia de energia espanhola Iberdrola e a Gas Natural foram atacadas pelo ransomware. A Vodafone da Espanha também teria pedido aos funcionários que desligassem seus computadores ou desconectassem suas máquinas da rede caso tivessem seus arquivos comprometidos, como forma de evitar o espalhamento do malware.

Ainda na manhã de hoje, os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido enfrentaram “sérios problemas de TI”, o que derrubou os sistemas e o atendimento telefônico do órgão público de saúde britânico. Momentos depois, o NHS disse em comunicado oficial acreditar que foi infectado pelo WannaCry.

Telões vermelhos na Telefónica revelam que os criminosos exigem o pagamento do resgate até o próximo sábado (15), sob pena de aumento do valor. Caso a empresa ainda assim não pague o montante, os arquivos serão deletados no dia 19 de maio.

Eles pedem US$ 300 por computador afetado, em forma de bitcoins, o que resultaria em um montante de 509.487 euros (R$ 1,72 milhão) no caso da Telefónica. Oficialmente, a empresa diz que detectou um “incidente de cibersegurança” e que está trabalhando para resolver o problema.

No Brasil

Fontes contam ao Tecnoblog que uma empresa de call center teve suas máquinas atacadas, prejudicando o atendimento aos clientes. Além disso, uma multinacional de consultoria pediu aos funcionários de todo o mundo que desligassem seus computadores até segunda ordem, o que interrompeu a operação da companhia, inclusive no Brasil.

De acordo com a BandNews FM, os funcionários da Vivo estão sem trabalhar desde às 9 horas da manhã. Um funcionário da operadora confirmou a paralisação ao Tecnoblog.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) enviou e-mail aos funcionários solicitando que todos os computadores fossem desligados imediatamente.

Veja a mensagem:

“URGENTE: CTIC ORIENTA DESLIGAMENTO IMEDIATO DOS COMPUTADORES DO MPSP DEVIDO AO ATAQUE MUNDIAL AOS SISTEMAS

O CTIC Central do Processo Digital avisa que diante do ataque mundial aos sistemas informatizados que está ocorrendo neste momento, solicitamos a todos os usuários do MPSP que desliguem todos os computadores imediatamente.

O incidente afetou a rede do TJSP e se espalhou pela rede Intragov do governo do estado. O MPSP está avaliando se houve comprometimento a segurança de sua rede.

Novas orientações serão enviadas oportunamente. Mais informações podem ser obtidas nos telefones (11) 3119″

telefonica-espanha-ransomware

A Petrobras também pediu aos funcionários, verbalmente, que desligassem seus PCs, relata um leitor.

Modelo. Os ataques na Europa foram do tipo ransomware. Neste tipo, o equipamento é feito como “refém”. Assim, ele é inutilizado até que um resgate seja pago pela empresa responsável. No caso do ataque desta sexta-feira, os criminosos virtuais exigem pagamento em bitcoin e que aumenta de valor a cada hora.

História em desenvolvimento. Este post será atualizado.

Fonte: UOL, Folha, Tecnoblog, Globo

Pesquisa apontou que a segurança de dados é a principal preocupação

Um estudo da IBM publicado recentemente revelou que, em 2015, os gastos médios das empresas brasileiras com violações de dados ultrapassaram 4 milhões de reais.
Outra pesquisa, esta realizada pela Extreme Network em nível global, mostra que ao longo de 2016 a segurança de dados é a principal preocupação dos executivos de TI em todo o mundo.
Conforme a tecnologia avança e se torna mais acessível, aumentam as ameaças à segurança da informação das empresas, o que está bem claro nestes dois estudos mencionados.
Diante disso, a pergunta que fica é: como otimizar a segurança de dados sem fazer com que as operações da empresa não deixem de aproveitar os avanços tecnológicos?

1. Crie a cultura da segurança de dados

Para começar, é importante conscientizar todos os colaboradores da sua empresa sobre o assunto segurança de dados — cerca de 30% das violações, de acordo com o estudo da IBM, são causadas por negligência dos próprios usuários.
Documente normas e recomendações, considerando todas as possíveis ameaças e também os riscos relacionados ao dia a dia corporativo.
Explique os benefícios da política, “traduza” os termos técnicos, enfim, traga todos para o objetivo maior: a segurança da informação e do negócio como um todo.
Estes usuários tendem a disseminar a ideia entre seus colegas de modo que, quando as normas entrarem em vigor, elas não serão uma imposição — para tal, escolha usuários que exerçam uma liderança natural entre seus colegas.

2. Invista em ferramentas e boas práticas de segurança da informação

Hoje, com a computação em nuvem, é possível adquirir softwares, ferramentas de antivírus, backup e outros de forma virtualizada, o que diminui muito os custos e não exige longos períodos de implementação.
Da mesma forma, metodologias e boas práticas também devem fazer parte do dia a dia do departamento de TI.

3. Armazene dados na nuvem

Isso porque os provedores de serviços de nuvem estão sempre atualizados com o que há de mais moderno em ferramentas, práticas e também mantêm em seus quadros os melhores profissionais — o que custa muito dinheiro para manter internamente.
Como existem nuvens públicas, privadas e híbridas, é preciso verificar qual dos três modelos é ideal para o seu negócio.
No modelo público, a empresa divide com outras empresas um datacenter (cada qual com seus níveis de acesso separados), a privada é exclusiva e a híbrida é uma mescla dos dois modelos.
Normalmente, os bons provedores de cloud garantem uma disponibilidade acima de 99%, — afinal, a segurança é um valor muito importante neste negócio.

4. Invista em criptografia para garantir a inviolabilidade dos arquivos

Toda empresa possui arquivos considerados sensíveis (relatórios gerenciais, planejamentos, planilhas financeiras e segredos industriais, por exemplo).
Uma boa escolha é protegê-los com sistemas de criptografia — codificação dos dados de modo que só possam ser lidos pelas pessoas autorizadas.
Com isso, dados que circulam em e-mail ou que estejam arquivados em dispositivos móveis que podem ser roubados ou perdidos não correm o risco de serem descobertos por fraudadores.

5. Firme contratos de sigilo com colaboradores e fornecedores

Outra excelente forma de garantir a segurança de dados corporativos é inserindo termos de confidencialidade em contratos com colaboradores e fornecedores.
Esta prevenção judicial pode inibir práticas de risco, fraudes e até ajudar a conscientizar as pessoas da importância de manter as informações seguras.

6. Reforce o controle de acesso aos sistemas corporativos

Também é importante fazer melhorias nos controles de acesso aos sistemas utilizados na empresa — especialmente quando há acesso remoto por meio de soluções SaaS, por exemplo.
É importante ter total controle de quem são as pessoas autorizadas a acessar e operar os diversos sistemas, com níveis de acesso bem definidos, senhas fortes e rastreamento das atividades.

7. Adote redes privadas virtuais (VPN) e controle os dispositivos utilizados

Trend Micro, uma das maiores empresas do ramo da segurança da informação no mundo, publicou um relatório no qual afirma que 2016 deve finalizar como um ano de grandes desafios para a segurança de dados corporativos.

Nas palavras da companhia, este “será o ano da extorsão online”, especialmente no que diz respeito ao crescimento de ameaças a dispositivos móveis (tablets, smartphones, etc.).
Como, cada vez mais, as pessoas estão utilizando seus próprios dispositivos no ambiente de trabalho, ter o controle e exigir autenticação é cada vez mais fundamental.
Inúmeros especialistas recomendam, inclusive, que os dispositivos dos colaboradores sejam isolados em uma rede única, pois assim fica ainda mais fácil de monitorar e identificar problemas.
Como vimos, a segurança de dados depende de uma série de fatores, que vai desde a educação dos usuários até investimentos em ferramentas e práticas.
O que não é mais possível é acreditar que as informações corporativas não correm riscos e que não é preciso fazer um trabalho estratégico de prevenção e antecipação aos problemas.

Como obter informação completa de um website

Já pensou em obter informações completas de um site apenas com o seu endereço?

Você está achando que o site é suspeito ou mesmo quer informações, saiba que isso é possível com apenas uma ferramenta que vamos demostrar agora, totalmente gratuita e fácil de usar.

scamadviser

No site Scamadviser é possível verificar a popularidade do site no mundo, pais de origem, tipo, pais de origem, cidade, descrição, proprietário, CNPJ/ CPF, servidor/provedor que está mantendo o site, entre outras informações importantes.

Além destas informações ele dá sugestões se deve confirmar para um compra on-line ou não no site enviado.

No mundo que vivemos são informações importantes que devemos levar em consideração na hora de confiar em um serviço on-line.

Quer verificar o seu site ou um que está desconfiado? http://goo.gl/Ocwhb

Vírus no Facebook rouba mais de 10 mil contas; brasileiros são os mais afetados

Em apenas dois dias, um ataque de phishing realizado por meio do Facebook fez mais de 10 mil vítimas, cerca de 37% (3700) das quais são brasileiras, segundo a empresa de segurança digital Kaspersky Labs. Trata-se de malware (arquivo malicioso) que usa a rede social para se disseminar e roubar as contas e dados pessoais dos usuários.

Os brasileiros são os mais afetados:

[sociallocker]

04111104738074

Os usuários da rede social recebiam uma notificação dizendo que um amigo seu havia mencionado-os em um comentário de um post. A notificação, no entanto, era enviada por invasores e desencadeava um ataque em duas fases. Na primeira delas, o computador do usuário recebia um trojan que instalava, entre outras coisas, uma extensão do navegador Chrome no computador do usuário.

Reprodução

A segunda fase começa quando o navegador infectado acessa o Facebook. Nesse momento, os invasores conseguiam usar a extensão maliciosa para tomar controle da conta do usuário. Feito isso, o malware podia alterar configurações de privacidade, extrair dados e realizar atividades estranhas nos perfis dos usuários, como enviar spam e produzir curtidas e compartilhamentos fraudulentos.

Brasileiros foram, de longe, o público mais afetado pelo ataque. 37% ds vítimas detectadas nos últimos dois dias foram do nosso país. Outros países que também tiveram grande número de pessoas atingidas foram Polônia (8%) Peru (7%) e Colômbia. Usuários de Windows, tanto em PCs quanto em dispositivos móveis, foram as principais vítimas do ataque; os sistemas Android e iOS estão imunes ao ataque, pois a biblioteca usada pelos criminosos é incompatível com esses sistemas.

Prevenção

A Kaspersky também recomendou uma série de medidas por meio das quais usuários podem se proteger de ataques desse tipo. A empresa recomenda a instalação de programas de segurança, mesmo que gratuitos, e cuidado ao navegar nas redes sociais. Outras medidas sugeridas são a alteração das configurações de privacidade do Facebook para as mais restritas possíveis e evitar ao máximo clicar em links enviados por estranhos ou em mensagens suspeitas.

Para os usuários que acreditam que tenham sido infectados, a empresa recomenda a execução de um escaneamento contra malwares. Além disso, é possível abrir o Chrome e buscar por extensões desconhecidas. Caso arquivos nocivos ou extensões estranhas sejam encontradas, a Kaspersky sugere que o usuário desconecte completamente seu computador da internet e chame um profissional para removê-los.

Tanto o Google quanto o Facebook já tomaram medidas para atenuar o problema. O Google excluiu da Chrome Web Store pelo menos uma das extensões criminosas associadas ao ataque. A rede social, por sua vez, conseguiu bloquear as técnicas de propagação do malware pelos PCs infectados, e disse à empresa que não observou outras tentativas de infecção.

“Os cibercriminosos estão aproveitando o fato de que os usuários tendem a usar a mesma senha em vários serviços baseados na web (Facebook, Gmail, Corporate SSL VPN, Outlook Web Access, etc) para obter acesso remoto a redes corporativas”, disse a Seculert.
Vírus no Facebook não é novidade. De acordo com um relatório publicado pela empresa a rede social encontrou problemas em logins de 600 mil contas comprometidas a cada dia.

Veja mais em Olhar Digital: http://goo.gl/KmK4QU

[/sociallocker]

O fim do boleto sem registro.

Sim, o boleto sem registro como o conhecemos deve deixar de existir ao final de 2016. A notícia, divulgada no primeiro semestre de 2015, pegou muita gente de surpresa. Mas calma: nem todas as notícias são ruins (no final do post você vai entender).

O Projeto Nova Plataforma de Cobrança, da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), tem o objetivo de trazer mais transparência ao mercado de pagamento.

Mas o que está realmente por trás dessa iniciativa é a necessidade de os bancos reduzirem prejuízos advindos de fraudes de boleto. O golpe consiste em alterar o número do código de barras e desviar o pagamento para outra conta. Em geral, este golpe é feito através de um vírus no computador do consumidor final. No mundo físico, existem casos de quadrilhas que interceptam malotes e trocam os boletos originais por novos com outra numeração.

De acordo com dados da Febraban, cerca de 3,6 bilhões de boletos são emitidos anualmente no Brasil – sendo 40% deles sem registro.

Os bancos também sofrem com diversas inconsistências dos boletos sem registro, que acontecem quando um cliente muda, de forma deliberada, o valor de um boleto ou a data de vencimento. Cerca de 1 bilhão destas ocorrências são registradas por ano.

Desde junho de 2015 os bancos já não oferecem mais a modalidade sem registro para clientes novos.

O projeto vem sendo implementado em etapas:

  • Junho de 2015 – Fim de oferta (pelos bancos) da cobrança sem registro para clientes novos
  • Agosto de 2015 – Início da operação da base centralizadora de benefícios
  • Dezembro de 2016 – Término da migração das carteiras de cobrança sem registro para a modalidade registrada
  • Janeiro de 2017 – Início da operação da base centralizadora de títulos

Consta do projeto que nos boletos registrados será obrigatório constar o CPF ou CNPJ do pagador (sacado).

E como ficam os boletos sem registro?

De acordo com comunicado da Febraban, “os boletos de cobrança oriundos de cobrança sem registro somente poderão ser recebidos pelo Banco Beneficiário (emissor)”.

Ou seja: a cobrança sem registro não deixará de existir. Mas exigir que o boleto seja pago no banco emissor com certeza será um complicador para a operação.

O que esperar: custos e facilidades
O boleto sem registro é amplamente utilizado principalmente pela questão do custo, pago ao banco quando da liquidação do título (ou seja, não existe custo de emissão). Já o boleto com registro pode ter taxas como a de registro, da custódia e da liquidação, além do protesto (as taxas variam de banco para banco).

Para o e-commerce, pode ser algo danoso ao negócio. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), metade dos títulos não é pago – então o comerciante pode ter um custo bancário sem necessariamente ter concretizado a venda.

Para negócios recorrentes que usam a carteira sem registro para cobrar, pode haver um aumento de custos – porém, ao usar um serviço como a Conta de Recebimento, pode haver inclusive uma diminuição de custos (ver abaixo).

De acordo com comunicado emitido de Febraban em 18/06/2015, as principais vantagens do boleto com registro são:

Gestão da carteira (sabe quem pagou, o que pagou e quando pagou)
Conciliação e relatórios de gestão
Maior segurança e entrega eletrônica por meio do DDA – Débito Direto Autorizado
Uso dos boletos como lastro em operações de crédito
Maior comodidade, pois permite o pagamento vencido em qualquer banco pelo DDA ou pela atualização do boleto no site do banco emissor
Os dois primeiros nem chegam a ser benefícios, pois a parte da gestão e conciliação pode ser feita com um software como o Superlógica Assinaturas, sistema de gestão focado em negócios recorrentes.

Tarifas cobradas por bancos para carteiras com registro
O que normalmente os bancos cobram para carteiras de boleto com registro. É importante ressaltar que as taxas podem variar de banco para banco:

Ao registrar o título. Esse valor é cobrado no momento do registro do título, mesmo que a cobrança seja paga no seu escritório ou por algum outro motivo o boleto nunca seja pago.
Na liquidação do boleto. Quando o banco recebe o pagamento do boleto.
Taxa de permanência/manutenção. Após alguns tempos que o título fica aberto, o banco pode cobrar uma tarifa a mais sobre o boleto.
Alguns bancos têm a opção de auto baixar os títulos depois de uma determinada quantidade de dias do seu vencimento.
Pedido de alteração de dados. Se for necessário editar algum dado do boleto, alguns bancos cobram essa edição.
Boleto com registro e sem registro no Superlógica
O Superlógica está preparado para emitir tanto boletos em carteiras sem registro como em carteiras com registro, de praticamente todos os bancos brasileiros.

As diferenças entre boleto sem registro e boleto com registro
As características do boleto sem registro:

Existe apenas uma taxa de liquidação (sem taxa de emissão);
Por conta disso, é mais barato emitir boleto sem registro do que com registro;
O banco não é informado da geração do boleto;
Responsabilidade de preenchimento, emissão, envio e cobrança é 100% da empresa;
O banco apenas transfere os valores após a identificação dos pagamentos.
As características do boleto com registro:

É cobrada uma taxa de emissão do boleto, mesmo que o cliente não pague. Dependendo do banco, pode cobrar tarifas de permanência e baixa do título;
O banco é informado, através de um arquivo de remessa, da emissão de novos boletos;
O banco pode cobrar e protestar o cliente.
A solução mais prática e conveniente: Conta de Recebimento
Se você ficou assustado com o aumento da burocracia e do custo para emitir boletos, saiba que existe uma alternativa que deixa a operação tão barata e simples como era com boletos sem registros: a Conta de Recebimento.
fim-boleto-registrado-001

A Conta de Recebimento é um facilitador e meio de pagamento, totalmente integrado ao Superlógica, que já está preparado para esta nova realidade. O custo do boleto (que, a partir de janeiro/2017, será na carteira com registro) permanecerá o mesmo – ou seja: R$ 2,50 por boleto liquidado. Além disso, não haverá custo de emissão – apenas o de liquidação. E existirá também a possibilidade de protestar o título (a taxa será divulgada em breve no site).

A Conta de Recebimento é uma instituição de pagamento em conformidade com a Lei Federal 12.865/2013 e parte integrante da plataforma de pagamentos recorrentes da Superlógica.

Ao emitir os boletos através da Conta de Recebimento, não será necessário enviar arquivo de remessa (e nem de retorno) ao banco e nem realizar a conciliação de forma manual. Ambos os processos são 100% automáticos. A ideia é reduzir custos, trabalho manual e erros.

`Hackers do bem´ tentam combater ataques virtuais

Segurança digital não é só para governos ou Grandes empresa. Hoje, qualquer um que acesse um e-mail ou abra um link está sujeito a ser vítima.

Mas, de outro lado, tem gente trabalhando para proteger o mundo virtual. São os hackers do bem.

E sua empresa esta segura?

A Start-It Tecnologia pode te oferecer uma consultoria completa para reforçar a sua segurança em suas redes e Telefones, fixo e móvel.

 

O grande crescimento dos Serviços Gerenciado.

Você já pensou em deixar a área de TI de sua organização sob os cuidados de uma empresa especializada?

Em todo mundo é crescente a tendência de contratar uma empresa para lidar especificamente com a segurança da informação. Os benefícios são incontáveis, pois além de economizar com pessoal e espaço físico, as companhias contam com uma atenção muito maior ao setor.

Hoje o investimento em formação e qualificação de profissionais de TI são caros e nem sempre tem a garantia de mante-los na empresa. Mesmos migrando todos os serviços para nuvem, temos que cuidar da rede interna, logs de segurança, navegação na internet, etc.

A segurança, o bom funcionamento de uma rede internet e pessoas qualificadas para ajudar a tomar a melhor decisão são fundamentais para manter um empresa funcionando.

Segundo estimativas da consultoria Frost & Sulivan, o mercado de Managed Security Provider (MSP) movimentou cerca de US 224.2 milhões em 2011 e projetando um crescimento para 2012 em torno de US 263.5 milhões em toda a América Latina. Um dos maiores impulsionadores deste mercado foi o forte aumento dos ataques virtuais aliados às vantagens competitivas de terceirizar a gestão da segurança das empresas.

A Start-It Tecnologia e suas empresas coligadas tem profissionais certificados, Microsoft, Dell SonicWall, AVG AntiVirus, Google Apps, Citrix e Cisco.

Podendo assim dar total assistência onde for preciso, seja para migração, implantação ou apoio ao TI.

data-center-ecossistema